2018/09/03

O Plano dos EUA para Derrubar o Governo Eleito na Venezuela

O plano dos EUA para derrubar o governo eleito da Venezuela apareceu publicado na rede Voltaire em fevereiro deste ano e o José Goulão no AbrilAbril já a ele tinha feito referência. Agora, quando está em curso mais uma onda golpista vale a pena relê-lo para compreender que a estratégia golpista dos EUA no mundo evoluiu muito nos últimos vinte anos.

E que afinal a culpa do estado a que a Venezuela chegou é, mais uma vez, do eixo do mal liderado pelos EUA! (Clique nas imagens para ver uma versão mais legível)




Plano para derrubar a ditadura(1) venezuelana
"Masterstroke"

Comando dos Estados Unidos para o Sul
23 de Fevereiro de 2018

(Secreto/20180223)

Situação Actual
(Em tradução)


Chegou o momento de:

Passos a dar para acelerar o derrube definitivo do chavismo e a expulsão dos seus representantes



Minar o decadente(1) apoio popular ao Governo.

* Encorajar a insatisfação popular aumentando a escassez e o aumento do preço dos alimentos, medicamentos e outros ...


... bens essenciais para os habitantes. Aumentando a angústia e a dor da escassez dos principais bens de consumo essenciais.

Assegurar a actual deterioração irreversível do ditador(1)

* Desenvolvendo acções que encorajem o egocentrismo e a incontinência verba do actual ditador(1), levando-o a cometer erros que a nível doméstico gerem desconfiança e rejeição ao mesmo tempo que continuam a minimizar o significado da sua figura pública a nível internacional
* Sitiá-lo, ridicularizá-lo e colocá-lo com símbolo de estranheza e incompetência. Expo-lo como marioneta de Cuba. Exacerbar a divisão entre membros do grupo governante. Revelando as diferenças de condições de vida entre eles e os seus seguidores, e ao mesmo tempo incitá-lo a manter e aumentar essas divergências. Salientar os exemplos de Rafael Ramirez do PDVSA e de Nelson Merentes do BCV.
* Tornar insustentável a sua governação forçando-o a claudicar, negociar e fugir, tal como já fizeram outros colaboradores. ...

* Tomar medidas para deixar uma porta das traseiras ou de serviço, caso finalmente prefira procurar uma saída do país.

Aumentar a instabilidade interna para um nível crítico.

* Intensificar a descapitalização do país, a fuga de divisas e a deterioração da base monetária, forçando a aplicação de medidas inflacionárias que aumentem a deterioração e simultaneamente provoquem os cidadão com menos posses - que suportam os actuais poderes - e os mais favorecidos, por forma sentirem o seu status ameaçado ou afectado. Estabelecer que o uso da bitcoin, Petro, é um elemento chave na deterioração da economia, oq ue é uma manipulação inconstitucional e ilegal da divisa nacional, utilizável para lavagem de dinheiro.
* Obstruir completamente as importações e, ao mesmo tempo, desencorajar potenciais investidores estrangeiros a fim de contribuir para tornar mais crítica a situação da população - especialmente na esfera da gasolina, essencial para qualquer tentativa de recuperação da economia nacional.
* Apelar para aliados domésticos e para outras pessoas inseridas a partir do estrangeiro na cena nacional com o objectivo de gerar protestos, tumultos, roubos, assaltos e sequestros de navios, bem como outros meios de transporte,


com a intenção de desertar este país em crise pelas suas fronteiras e outras possíveis formas, violando a segurança nacional das nações vizinhas com que tenha fronteiras.
* Usar a corrupção generalizada e os lucros provenientes de operações com drogas proibidas para destruir a sua imagem no mundo e entre os seus seguidores internos.
* Promover a fadiga entre os membros do PSUV, incitar ao aborrecimento e inconformidade entre eles para recusarem as medidas e restrições que também os afectem, incitar o aparecimento de fracções politicas internas, dividindo-os nos seus chismos, tornando-o tão fraco como a oposição. Criando fricções entre o PSUV e o "Somos Venezuela".
* Estruturando um plano para uma profusa fuga do país dos mais qualificados profissionais, com o objectivo de  "o deixar sem profissionais absolutamente nenhuns", o que agravará ainda mais a situação interna e ao correr do fio culpar o Governo.

* Estabelecer uma temporização acelerada para evitar que o Ditador continue a ganhar o controlo do cenário interno. Se for necessário, agir antes das eleições planeadas para o próximo Abril.
* Conseguir o apoio da cooperação das autoridades aliadas dos países amigos (Brasil Argentina, Colômbia, Panamá e Guiana).
* Organizar o aprovisionamento, alívio de tropas, apoio médico e logístico do Panamá. Fazer bom uso da vigilância electrónica e espionagem. Os hospitais e suas instalações implantadas em Darien, os aeródromos equipados para o Plano Colombiano, bem como o pertencente à "Rio Hato", além do Centro Humanitário Regional das Nações Unidas, projectado para situações ou catástrofes e emergência humanitária, que tem um aeródromo e seus próprios armazéns.


pg 7 traducao

pg 8 traducao

pg 9 traducao

pg 10 traducao

pg 11 traducao

(1) O, pelos EUA, apelidado ditador foi eleito com 67,8% dos votos expressos numa eleição que contou com a participação de 46,7% dos potenciais eleitores. O presidente "democrataduramente" eleito dos EUA "ganhou" as eleições com 46,1% dos votos expressos, menos 2,1% do que a 2ª mais votada ... Hillary Clinton que teve 48,2% numas eleições em que participaram 55% dos potenciais eleitores.

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário ficará disponível após verificação. Tentaremos ser breves.