2018/04/21

A Carnificina: E Matam E Matam E Continuam a Matar

E Matam e continuam a matar e ninguém os prende. A ONU não denuncia o massacre de palestinianos. O Conselho de Segurança da ONU não propõe uma intervenção pacificadora ou a criação de um corpo de interposição. O TPI para Israel não prende o cabecilha do estado ocupante. O quê? Não existe TPI para os crimes de Israel contra a humanidade? Porquê?

Imaginem por instantes que em quatro sextas feira seguidas o exército assassinava 31, trinta e um manifestantes portugueses, a uma média superior a 7 assassínios por sexta feira, por dia. Aceitava e calava-se?

Façamos como já fizemos na África do Sul: #BDS #BoycottDivestmentSanctions

Aqui fica um breve apanhado da luta de um povo que todas as sextas-feiras se reúne na Grande Marcha de Retorno para exigir o regresso à sua terra actualmente debaixo de ocupação israelita.

Sexta Feira 8 de Fevereiro Dois adolescentes palestinos assassinados por fogo israelita em Gaza na 46.ª semana da Grande Marcha do Retorno. Atiradores de elite do exército israelita mataram dois adolescentes palestinos, um de 14 anos e outro de 18. O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza informou que Hassan Iyad Shalaby, de 14 anos, e Hamza Mohammad Ishtiwi, de 18 anos, foram atingidos por balas do exército sionista. Hassan Shalaby foi atingido com uma bala no peito, enquanto Hamza Ishtiwi foi atingido no pescoço, morrendo antes de chegar ao hospital. Outros 17 manifestantes foram feridos pelos atiradores israelitas, incluindo um que foi atingido na cabeça e ficou gravemente ferido.

Sexta Feira 1 de Fevereiro As forças israelitas atingiram a tiro mais de 50 palestinianos, esta sexta-feira, quando participavam na Grande Marcha do Retorno, em Gaza, e num protesto contra a violência dos colonos, na Cisjordânia. Em al-Mughayyir, no Centro da Cisjordânia, pelo menos 19 palestinianos ficaram feridos na sequência dos disparos efectuados pelas forças militares israelitas contra um grupo de manifestantes que protestavam contra os ataques violentos dos colonos judeus extremistas na Margem Ocidental Ocupada.

Sexta Feira 25 de Janeiro Dois palestinos mortos a tiro por Israel na Cisjordânia e em Gaza. Um adolescente palestino de 16 anos foi morto por fogo israelita durante protestos na Cisjordânia ocupada esta sexta-feira, informou o Ministério da Saúde palestino. Soldados isreaelitas estacionados numa torre de observação militar dispararam fogo real, matando o jovem Ayman Hamed com um tiro no peito e ferindo um outro jovem, durante um protesto perto da aldeia de Silwad, a norte de Ramala.

Sexta Feira 18 de Janeiro Milhares de palestinianos participaram, esta sexta-feira, nas mobilizações da Grande Marcha do Retorno. Pelo menos 30 foram feridos pelas forças israelitas, incluindo 3 paramédicos e 2 jornalistas.

Sexta Feira 11 de Janeiro Soldados israelitas mataram hoje uma mulher palestina — a primeira vítima do ano — durante protestos perto da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza. Pelo menos outras 25 pessoas foram feridas, incluindo um jornalista e um paramédico, durante a 42.ª sexta-feira consecutiva da Grande Marcha do Retorno.

Sexta Feira 4 de Janeiro Dezenas de palestinos da Faixa de Gaza foram feridos na tarde de sexta-feira pelas forças de ocupação israelitas, que abriram fogo contra os manifestantes que participavam na Grande Marcha do Retorno. O Ministério da Saúde de Gaza informou que 15 palestinos foram feridos por munições reais e bombas de gás lacrimogéneo disparadas pelas forças israelitas. Entre os feridos encontravam-se sete jornalistas e paramédicos palestinos.

Sexta Feira 28 de Dezembro Forças israelitas mataram ontem um palestino com deficiência mental durante uma manifestação da Grande Marcha do Retorno na Faixa de Gaza, já na 40.a semana consecutiva. O Ministério da Saúde de Gaza identificou o morto como Karam Mohammed Fayyad, de 26 anos. Observadores no local do Palestinian Center for Human Rights (PCHR) informaram que Fayyad foi atingido com uma bala na cabeça quando se encontrava a cerca de 150 metros da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza.

Sexta Feira 21 de Dezembro Quatro palestinianos que participaram nas manifestações da Grande Marcha do Retorno em vários pontos da Faixa de Gaza cercada, esta sexta-feira, foram mortos a tiro pelas forças israelitas.

Sexta Feira 14 de Dezembro As forças de ocupação, que mataram quatro palestinianos nas últimas 36 horas, prenderam uma centena de palestinianos na última madrugada. Mahmoud Youssef Nakhleh, de 18 anos, morreu após ser atingido no estômago por tropas israelitas no campo de refugiados de al-Jalazun, perto de Ramala. As forças israelitas dispararam contra o jovem de muito perto, menos de 10 metros de distância.

Sexta Feira 7 de Dezembro Os media corporativos calam a revolta, mas a Palestina em Gaza manifesta-se contra a ocupação do seu território.

2 de Dezembro de 2018 Na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, quase 350 palestinianos foram mortos pelas forças sionistas de ocupação desde que a administração norte-americana reconheceu Jerusalém como capital de Israel.

Sexta Feira 30 de Novembro Os media corporativos calam a revolta, mas a Palestina em Gaza manifesta-se contra a ocupação do seu território.

20 de Novembro Israel deteve 908 palestinianos menores de 18 anos desde o início de 2018, segundo informou esta terça-feira a Sociedade de Prisioneiros Palestinianos (SPP).

Sexta Feira 23 de Novembro Os media corporativos calam a revolta, mas a Palestina em Gaza manifesta-se contra a ocupação do seu território.

Sexta Feira 16 de Novembro Pelo menos 40 palestinos ficaram hoje feridos pelas forças de ocupação israelitas, que abriram fogo contra os milhares de manifestantes que participavam na 34.ª semana consecutiva da Grande Marcha do Retorno. As manifestações de 6ª feira ocorrem poucos dias depois da agressão israelita do início da semana, com cerca de uma centena de ataques aéreos e de artilharia. Após dois dias de confronto, foi alcançada uma trégua, mediada pelo Egipto, entre Israel e os movimentos armados de Gaza. Desde o início dos protestos desarmados da Grande Marcha do Retorno, Israel já matou 247 manifestantes palestinos, enquanto cerca de 25 000 ficaram feridos, 500 dos quais em estado grave.

Sexta Feira 9 de Novembro Os media corporativos calam a revolta, mas a Palestina em Gaza manifesta-se contra a ocupação do seu território.

Sexta Feira 2 de Novembro Os media corporativos calam a revolta, mas a Palestina em Gaza manifesta-se contra a ocupação do seu território.

Sexta feira 26 de Outubro - 31ª Semana da Grande Marcha de Retorno. Perante a passividade mais ou menos amorfa do direito internacional a potência invasora assassina a tiro mais 5 civis desarmados durante os protestos públicos pelo retorno do povo palestiniano ao seu território de origem.

Sexta feira 19 de Outubro - 30ª Semana da Grande Marcha de Retorno. 130 Palestinianos, incluindo 25 crianças foram feridos pelas tropas ocupantes israelitas que mantém o cerco a gaza onde cerca de 2 milhões de pessoas vivem em condições infra-humanas. Até quando o ocidente dito civilizado vai continuar a silenciar e a pactuar com um regime genocida que continua a assassinar impunemente?

Sexta feira 12 de Outubro - Este é um post a que me custa continuar a voltar e a voltar e a voltar. Custa-me porque cada regresso significa a necessidade de registar mais uma série de assassinios praticados pelo exército de ocupação do estado terrorista sionista. Esta sexta feira o estado sionista assassinou mais 7 palestinianos que se manifestavam contra o cerco de Israel ao campo de concentração de Gaza, onde estão presos, em condições infra-humanas, cerca de 2 000 000 de seres humanos. As tv's e jornais nacionais não deram por nada, não viram nada, não ouviram nada, não falaram de nada.

Sexta feira 5 de Outubro - As tropas de ocupação na Palestina, ao serviço do estado terrorista de Israel, assassinaram mais três palestinianos, um deles criança, durante as manifestações contra a ocupação. Os media nacionais não sabem de nada. Foi a 28º sexta feira da Grande Marcha do Retorno.

Sexta feira 28 de Setembro - Israel mata sete manifestantes palestinianos, o mais novo com 12 anos. A repressão sangrenta das forças israelitas sobre os protestos em Gaza, na sexta-feira, provocaram 506 feridos, 90 dos quais alvejados com fogo real, e sete mortos, incluindo duas crianças. Foi a 27ª sexta feira da Grande Marcha do Retorno. O Silêncio dos media nacionais é gritantemente ensurdecedor!

Sexta feira 21 de Setembro - Israel mata dois palestinianos a tiro em Gaza nos protestos contra o bloqueio. Ambos os palestinianos, de 21 anos, foram atingidos na cabeça com balas reais, disparadas por forças israelitas, quando participavam em protestos nocturnos integrados na Grande Marcha do Retorno. Foi a 26ª sexta feira da Grande Marcha do Retorno. O Silêncio nos media nacionais é ensurdecedor!

Sexta feira 27 de Julho - Durante a 18ª edição da Grande Marcha do Retorno, em Gaza, os assassinos israelitas do exército de ocupação mataram dois manifestante desarmados e feriram 246, entre os feridos contam-se 19 menores, seis paramédicos e um jornalista. Tanto Ghazi Muhammad Abu Mustafa, de 43 anos, como Majdi Ramzi Kamal al-Satri, de 14 anos, foram atingidos na cabeça com fogo real.

Sexta feira 29 de Junho - O exército ocupante israelita assassinou a tiro dois palestinianos, um deles com 13 anos, e feriu 415 na 14.ª sexta-feira consecutiva da Grande Marcha do Retorno, junto à vedação que isola a Faixa de Gaza. Segundo o AbrilAbril desde o início dos protestos da Grande Marcha do Retorno, a 30 de Março deste ano, as tropas israelitas mataram pelo menos 135 palestinianos na Faixa de Gaza. Mais de 14 mil ficaram feridos, em muitos casos ao serem atingidos por balas reais.

28 de Junho - De acordo com o AbrilAbril, uma aldeia beduína no Negev foi esta 4ª feira demolida pela 130.ª vez por Israel. Com o pretexto de que está construída em terra que é «propriedade estatal» israelita, al-Araqib, na região do Negev, o exército ocupante israelita demoliu a aldeia pela 130.ª vez desde Julho de 2010.

Sexta feira 23 de Junho - 13ª - «Sexta-Feira dos Feridos» 206 palestinianos ficaram feridos na sequência da repressão israelita, na sua grande maioria devido à inalação de gás lacrimogéneo. Trinta terão sido atingidos por fogo real junto às vedações que cercam a Faixa de Gaza, num protesto que foi designado como «Sexta-Feira dos Feridos», para prestar tributo a todos aqueles que foram feridos pelas forças israelitas desde o começo da Grande Marcha do Retorno, a 30 de Março, indica o AbrilAbril.

18 de Junho - Israel prolonga detenção de Khalida Jarrar pela terceira vez consecutiva. As autoridades israelitas renovaram pela terceira vez consecutiva a detenção administrativa de Khalida Jarrar, deputada no Conselho Legislativo Palestiniano e dirigente da FPLP. Ainda de acordo com o AbrilAbril, a Sociedade de Prisioneiros Palestinianos, o grupo de apoio aos presos Addameer, o Comité dos Assuntos dos Presos e o Centro Al-Mezan para os Direitos Humanos informaram que, em Maio, as forças de ocupação israelitas prenderam 605 palestinianos na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e em Jerusalém, incluindo 94 menores e nove mulheres. Além disso, emitiram 83 ordens de detenção administrativa, sendo 36 novas e as restantes renovações. De acordo com o relatório emitido por aqueles organismos, há aproximadamente 6000 presos palestinianos nas cadeias de Israel. Destes, 350 são menores e 430 estão detidos sem culpa formada, ao abrigo da detenção administrativa.

14 de Junho - Nações Unidas condenam Israel por «uso excessivo da força» em Gaza. A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou esta quarta-feira, por larga maioria, uma resolução em que se exige «protecção» para os civis palestinianos. Os EUA tentaram aprovar uma emenda, sem êxito.

Sexta feira 8 de Junho - 11ª - O estado invasor e ocupante continua a transformar o muro que cerca a Faixa de Gaza num paredão de fuzilamento com quarenta quilómetros de comprimento. Nesta 11ª sexta-feira da Grande Marcha de Retorno, o exército ocupante feriu mais seiscentos civis palestinianos e assassinou mais três cidadãos palestinianos. É tempo de levar a tribunal a potência israelita invasora.

Sexta feira 1 de Junho - 10ª - Em mais uma trágica sexta-feira de protestos contra a potência ocupante e pela devolução dos territórios ocupados, o exército israelita invasor assassinou uma paramédica quando esta tentava evacuar um manifestante ferido.

26 de Maio - Supremo Tribunal israelita «dá luz verde» a snipers e fogo real em Gaza. O Supremo Tribunal de Israel defendeu o uso da «força letal» contra os palestinianos que se manifestaram de forma pacífica na Faixa de Gaza cercada entre 30 de Março e meados de Maio.

Sexta feira 25 de Maio - 9ª.

Sexta feira 18 de Maio - 8ª - Cerca de um milhar de palestinianos responderam à chamada para a oitava sexta feira da grande marcha de retorno. O exército sionista ocupante atacou com balas e gás lacrimogéneo, tendo ferido 56 civis, 25 deles com balas. Esta foi a primeira sexta feira depois do massacre de dia 14 em que o exército invasor israelita assassinou 52 civis e feriu mais de mil palestinianos. Note-se que desde o inicio da grande marcha de protesto, a 30 de Março, o exército invasor israelita já feriu mais de mil crianças palestinianos.

Sexta feira 11 de Maio - 7ª - Durante os protestos desta Grande Marcha do Retorno os assassinos ao serviço do terrorismo israelita assassinaram mais um manifestante palestiniano e feriram quase mil manifestantes. No total, ao longo das últimas sete sextas feiras, já foram assassinados pelo exército ocupante israelita mais de 40 palestinianos residentes no que é já internacionalmente considerado o campo de concentração de Gaza.

Sexta feira 4 de Maio - 6ª - Esta sexta feira voltou a ser um dia negro em Gaza, na Palestina. Apesar de ser a primeira sem mortes registadas em mais de um mês, 83 palestinianos foram baleados pelas forças israelitas.

Sexta Feira 27 de Abril - 5ªFontes militares israelitas estimaram à Reuters em 14 mil o número de manifestantes que, nesta quinta semana da «Grande Marcha do Retorno», se concentraram junto à linha de fronteira para tentar romper a mesma, durante mais uma jornada de luta pelo direito ao regresso à sua terra natal. A morte, neste sábado, dia 28 de Abril, de Azzam Aweida, um jovem palestiniano de 15 anos gravemente ferido no dia anterior por soldados isrelitas, elevou para entre 43 a 46 (as fontes divergem) o número de mortos durante os protestos que desde o dia 30 de Março passado ocorrem, semanalmente, todas as sextas feiras, na fronteira entre a faixa de Gaza e Israel.

Sexta Feira 20 de Abril - 4ªQuatro palestinianos mortos e mais de 150 feridos em protestos na faixa de Gaza é o balanço da quarta sexta feira de protestos de palestinianos desarmados contra o exército de ocupação sionista armado com balas e granadas.

Sexta feira 13 de Abril - 3ª - A repressão do exército ocupante israelita matou um jovem palestiniano e feriu 968, no passado dia 13 de Abril, a terceira sexta-feira consecutiva de mobilizações da Grande Marcha do Retorno, na Faixa de Gaza cercada, um campo de concentração onde sobrevivem cerca de um milhão e meio de palestinianos.

Sexta feira 6 de Abril - 2ª - Na segunda sexta feira de protestos o exército ocupante israelita assassinou dez palestinianos junto à vedação no Leste da Faixa de Gaza, elevando o total de vítimas na última semana para mais de 30. Neste território completamente cercado por um muro, sobrevivem cerca de milhão e meio de palestianos com a incrível densidade populacional de 5000 habitantes por km2.

A 30 de Março, na primeira sexta feira de protestos o exército ocupante assassinou 16 palestinianos e feriu 1400 palestinianos desarmados.

Fontes:
Abril Abril
Aljazeera
Haaretz
PressTV
Sapo24
MPPM

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário ficará disponível após verificação. Tentaremos ser breves.