2018/07/29

A Ideologia Dominante Reproduz-se

Demonstraram-no uns filósofos modernistas aí por meados do século XIX, e o papaguear do Miguel Boulsa Taverneiro é um bom exemplo, e se não, vejamos.

Defende o opinadeiro do alto da sua tribuna paga que sim sr., o sr. centeio tem toda a razão em defender um orçamento para todos os portugueses. Já está, com uma frase e dois chavões, o fazedor de cabeças resume meia dúzia de falsos pressupostos e uma dúzia de errados corolários, inculcados a camartelo nas cabeças dos leitores como insofismáveis verdades. Assim resumidamente, o vigaro com tribuna e o ministro ronaldo assumem, sem dizer nada a ninguém, que:

- Os 26% de irs que eu pago adiantados, me fazem tanta falta para comer, como à finança, para pagar os almoços dos administradores, fazem falta os 5% de irc pagos um ano depois, quando não consegue depositar os lucros no dorso de um caimão .

- Os portugueses são todos iguais, como se eu e os Espiritos Santos tirássemos igual partido do OE.

- A organização de media que lhe paga tribuna está legal e sectorialmente habilitada para defender os interesses da CIP, e da CAP, e das restantes 382 organizações patronais que dividem o bolo orçamental entre si, mas aqui d'el rei que os sindicatos não têm nada que exigir a contagem do tempo de serviço dos 9 anos de tempo de serviço em que não lhes foi aplicada a lei que o estado acordou com eles.

- Um dia de greve a menos, no salário mínimo de um trabalhador, vale o mesmo que dois almoços regados com champanhe no orçamento de uma agência de comunicação, quando todos sabemos que estes últimos são dedutíveis como despesas de representação.

- A falência do estado, que todos andamos a pagar em juros da dívida soberana, foi obra de um povo amante das boas ovas de esturjão regadas com veuve clicquot e não do esboroar das inexistentes dólaras, garantidas pelo rol da mercearia do sr. Santos, e contra as quais os irmãos limão apostavam no casino dos irmãos metralha.

- Os funcionários públicos todos juntos, coisa que nunca estiveram, e mais todos os sindicatos que os representam, desde os amarelentos assinadores de concertações patronais, aos encarniçadamente classistas, e mais os comunistas (cruz-credo-c'horror) e os broquistas (ai jasus t'arrenego) têm a mesma influência no conselho de ministros que a santa aliança Banca, Finança, import-export & Cia com quem os ministros almoçam, jantam e ceiam à mesa do orçamento, em alegre e desinteressada cavaqueira. Mentira facilmente desmontada pelo incessante agravar do fosso entre os poucos e cada-vez-menos-cada-vez-mais ricos e os muitos e cada-vez-mais-cada-vez-mais pobres, fosso esse escavado com benefícios bolsistas, parcerias para os privados e sazonais amnistias para repatriamento de lucros lavados com lixivia, tudo lavrado em letra de lei nos tais orçamentos de estado que têm de ser para todos os portugueses e não só para a finança que paga 5% de impostos sobre os multi-milionários lucros conseguidos com comissões sobre o meu dinheiro.

A lista de vigaras assunções podia continuar, mas fiquemo-nos por estes milhares de caracteres necessários para desmontar os três pontapés na gramática com que o opinadeiro com tribuna paga tenta esconder a realidade: o OE é um mecanismo de expropriação do trabalho e enriquecimento do capital e tudo o que possa contrariar essa realidade é benéfico para a grande maioria dos portugueses que vivem da venda da sua força de trabalho.

E sim, os trabalhadores têm de se organizar para conseguir forçar o poder a esbanjar menos em juros, swaps e parcerias para os privados e a investir mais no SNS, na educação pública e no consumo privado, principal fator de crescimento económico, como o próprio opinadeiro reconhece pouco mais à frente.

Sem comentários:

Publicar um comentário

O seu comentário ficará disponível após verificação. Tentaremos ser breves.